ASA-facebook

Patrícia Guercio Teixeira Delage

Sócia-fundadora à frente da Equipe Brasil sediada em Belo Horizonte e Compliance Officer do Escritório.

Patrícia, formada em Direito pela Faculdade Milton Campos, iniciou sua parceria com Alexandre Aroeira Salles ainda como estagiária. Pouco depois de se graduar, a parceria deu origem à sociedade no início de 2003, onde as atividades da advocacia se intensificaram em múltiplas e ricas experiências ao longo de todos esses anos de construção do escritório por meio de incansável dedicação, estudo, trabalho e relacionamento sólido e ético com clientes, órgãos de Controle (TCU, TCE, CGU), Poder Judiciário, colegas advogados, estagiários e equipe administrativa.

Atualmente lidera a Equipe Brasil sediada em Belo Horizonte no atendimento a clientes em todo o País (Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo tem unidades próprias, todas inter-relacionadas).
Assumiu em 2018 a função de Compliance Officer, além de coordenar a implantação de equipes e ferramentas gerenciais de grande relevo para o melhor funcionamento e sustentabilidade do escritório.

A advogada é Membro Fundador do Instituto Brasileiro de Direito e Controle da Administração Pública – IBDCAP, do Brazil Infrastructure Institute e participou da Comissão de Estudo Especial de Elaboração de Orçamentos e Formação de Preços de Empreendimentos de Infraestrutura e Edificações – ABNT/CEE-162.

Patrícia possui significativa experiência na assessoria jurídica de clientes em gestão contratual, atuação no Tribunal de Contas da União e demais órgãos de controle (TCE, CGU), bem como no Poder Judiciário, em especial ações de improbidade administrativa, ações civis públicas, ações para questionar decisões das Cortes de Contas e ações de cobrança. Também atua em acompanhamento de inquéritos e processos licitatórios (PPP, RDC, Concessões).

Esteve à frente de atuações para grandes clientes do escritório relacionados aos setores da construção pesada (como obras rodoviárias, aeroportuárias, portuárias, metroviárias, ferroviárias, nucleares, de saneamento, hídricas, de estádios de futebol, entre outras), óleo e gás, resíduos sólidos e logística.

Dentre suas relevantes atuações, participou de discussões no Tribunal de Contas da União sobre cláusulas de contrato com valor inicial de mais de R$ 7 bilhões, obtendo êxitos imprescindíveis à sua continuidade e execução. Participou também de discussões administrativas e judiciais envolvendo a Primeira Parceria Público Privada do Município de Belo Horizonte com inadimplemento de aproximadamente R$ 40 milhões do Poder Concedente, alcançando decisões judiciais necessárias para viabilização do contrato.